Notícias capa

Published on September 20th, 2012 | by

0

RESIDENT EVIL 6 – PUBLIC DEMO para XBOX 360

A demo do novo Resident Evil foi disponibilizada hoje na Xbox Live e PSN. Nosso colaborador Geison Maciel jogou a versão para Xbox, e você confere aqui , em primeira mão, suas primeiras impressões.

 ARTIGO ESPECIAL

Autoria: Geison Maciel – colaborador oficial da Gamerset.

Antes de tudo, gostaria de deixar claro que minha relação com Resident Evil é antiga. Joguei a primeira versão para PS1 lá nos longínquos meados dos anos 90, e desde então sou fã da franquia, tendo acompanhado praticamente todas as seqüências posteriores.

Em RE4 pôde-se ver que a mudança da jogabilidade era promissora, e o tom sombrio continuava. A única coisa que realmente senti falta foram os bons e velhos zumbis. Já RE5 veio com a força dos gráficos da nova geração, opção de jogo cooperativo local e online, tudo para arrebentar… mas não cumpriu com as expectativas. Nele testemunhamos que a famosa franquia de survival horror estava mudando seu nicho, passando a primar muito mais pela ação desenfreada do que pelos sustos e luta pela sobrevivência. Essa discussão está em pauta ainda hoje, onde arrisco dizer que metade dos fãs da franquia preferem a ação, enquanto a velha guarda (onde me incluo) gostaria de um RE de volta às raízes de filme de terror B – a principal inspiração para a criação do jogo original.

E a CAPCOM? Como reage a essa divisão de opiniões entre os jogadores de todo mundo? Da mesma maneira: tão dividida quanto. E a prova disso é Resident Evil 6.

Jogando este novíssimo capítulo da franquia, é notável a tentativa de se agradar a todos os gostos. Na demo disponibilizada, é possível selecionar três diferentes partes da campanha, jogando com Leon e Helena, Chris e Piers ou Jake e Sherry. Antes de iniciar a sessão pode-se permitir (ou não) que outro jogador ingresse no decorrer da sua partida, controlando o personagem que “sobrou” após a sua escolha.

A campanha com Leon e Helena é uma homenagem ao RE clássico, onde os inimigos são os nossos tão amados zumbis e as situações criadas pelo game são típicas de um survival horror autêntico. Cenários sombrios e suspense são presenças constantes e, em alguns momentos, correr é a única opção, já que é impossível enfrentar a quantidade de inimigos que se apresenta com tão pouca munição disponível.

Com Chris e Piers você se depara com a parte dedicada aos fãs da ação já existente em RE5, mas agora elevado a um nível muito mais interessante, além das várias referências a shooters de sucesso. Bom, pelo menos aqueles que jogaram a primeira parte da campanha de Call of Duty: Modern Warfare 2 vão saber exatamente do que estou falando. A ação militar é intensa desde o início. Um pesado arsenal e inimigos infectados (e armados!) não faltam. Ao chegar na metade desta parte da demo você já encara seu primeiro inimigo gigantesco: uma anomalia humanóide com complexo de Godzilla (e mandíbula semelhante a de um Predador) que teima em querer te comer vivo.

A parte mais curiosa é a de Jake e Sherry, onde se vê uma mistura entre os estilos das outras duas campanhas. Os cenários sombrios lembram a parte de Leon, enquanto o arsenal pesado e os inimigos infectados estão muito parecidos com os que atormentam Chris e sua tropa. Nesta parte é interessante a cooperação, onde um parceiro precisa cumprir um objetivo no cenário (pegar uma chave, abrir uma porta) enquanto o outro o auxilia dando cobertura à distância, usando rifles sniper e de assalto (além de uma Magnum que pode estourar seus ouvidos a cada tiro, dependendo do volume que estiver seu headset).

Comum a todas as partes, a jogabilidade evoluiu de maneira consistente, trazendo mais agilidade e realismo na movimentação dos personagens, nos fazendo esquecer completamente os erros do famigerado RE: Operation Racoon City. Deve-se aqui dar um elogio a Capcom pelo ótimo trabalho com os itens em tela. A barra de vida e munição imitam uma tela de smartphone em realidade aumentada, e o menu de seleção de equipamentos e armas é rápido e descomplicado. Os gráficos são belíssimos, assim como a luminosidade. Aliás, aconselho a todos antes de começar a jogar a ajustar o brilho de sua tela, seguindo as instruções de deixar o “6” pouco visível. Isso ajuda muito na imersão dos ambientes mais sombrios. O som também está ótimo. Ao usar o headfone é possível saber se o zumbi (ou infectado) está à sua frente, ao seu lado ou te espreitando e tentando agarrar sua perna atrás de você.

Mesmo sendo curta (você consegue finalizar todas as partes em mais ou menos uma hora) esta versão de demonstração já dá uma boa ideia do jogo que será lançado em breve. Pode ainda não ser exatamente o que os fãs mais tradicionais esperam, mas com certeza é um ótimo começo. Para os fãs da ação presente em RE5 é diversão garantida, com qualidade bem superior a de seu antecessor. A interação no jogo online é praticamente a mesma do jogo solo, e creio que muitos convidarão seus amigos para atirar em algumas criaturas por várias horas pela madrugada. Ainda não há detalhes sobre outros modos de jogo além da campanha, mas RE:ORC possui ótimos modos, tanto cooperativos como competitivos, que ficariam incríveis em RE6.

Resident Evil 6 será lançado para Xbox 360 e PlayStation 3 em 2 de outubro, também no Brasil – com legendas em português. A versão para PCs chegará depois. Por enquanto, baixe gratuitamente a versão de demonstração via Xbox Live ou PSN e tire suas próprias conclusões.

Tags: , , , , , , , , , , , , ,


About the Author



Back to Top ↑